Saúde da Família, agora, mais do que nunca?
PDF

Palavras-chave

Saúde da Família
Atenção Primária à Saúde

Como Citar

Mendonça, C. (2019). Saúde da Família, agora, mais do que nunca?. APS EM REVISTA, 1(3), 154-161. https://doi.org/10.14295/aps.v1i3.48

Resumo

Na edição da APS em Revista que divulga as experiências finalistas do Prêmio APS Forte para o SUS, iniciativa da OPAS e Ministério da Saúde, as considerações aqui apresentadas visam descrever os avanços alcançados pela Estratégia Saúde da Família, e os desafios que enfrenta, ainda hoje, em assumir seu papel como porta de entrada e coordenadora da atenção no sistema de saúde. A cultura da avaliação de políticas públicas é ainda incipiente no Brasil e num contexto de escassez de recursos e políticas de austeridade fiscal, torna-se imprescindível conhecer os resultados obtidos pelos programas/políticas para a tomada de decisão que maximize o impacto e os resultados na sociedade. Em que pese o Programa de Saúde da Família não ter tido um planejamento inicial de realizar avaliação de impacto, quantificando relações causais entre o programa e um conjunto de resultados na sociedade, desde sua criação, processos avaliativos foram implantados. De 1998, ano de criação da primeira grande inflexão para o crescimento da Saúde da Família, que foi o Piso de Atenção Básica, permitindo, pela primeira vez no país, um repasse financeiro do Ministério da Saúde a todos os municípios brasileiros, de acordo com sua população, até o ano de 2006, quando foi publicada a Política Nacional de Atenção Básica, tornando o que até então era um programa, numa Política Nacional, a cobertura populacional evoluiu de 5 a 45,3%, alcançando 84 milhões de brasileiros em 2006 até os mais de 100 milhões de brasileiros (64%)  em setembro de 2019, com 43.508 equipes implantadas.
https://doi.org/10.14295/aps.v1i3.48
PDF

Referências

1. Avaliação Normativa do PSF no Brasil. Monitoramento da Implantação e Funcionamento das Equipes de Saúde da Família, 2001/2002. MS
2. BRASIL.Compromisso para Acelerar a Redução das Desigualdades na Região Nordeste e Amazônia Legal: Plano de Ações. Brasília, DF, 2009.
3. Macinko J, Guanais FC, de Fatima M, de Souza M. Evaluation of the impact of the Family Health Program on infant mortality in Brazil, 1990–2002. J Epidemiol Community Health. 2006;60(1):13–9. pmid:16361449
4. BRASIL. Ministério da Saúde. Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento – BIRD. Contrato de Empréstimo Externo nº 7545-BR. Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família – PROESF. Fase 1, entre 2002 e 2007. Fase 2 entre 2009 e 2013. (http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/PROESF.pdf)
5. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Ministério da Ciência e Tecnologia/ Ministério da Saúde. Edital MCT-CNPq/MS-DAB/ SAS – nº. 49/2005.

6 HARTZ, Zulmira Maria de Araújo. Princípios e padrões em metaavaliação: diretrizes para os programas de saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 11, n. 3, p. 733-738, set. 2006
7 FIGUEIRO, Ana Cláudia et al . Meta-evaluation of baseline studies of the Brazilian Family Health Strategy Expansion Project: a participatory and formative approach. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 26, n. 12, p. 2270-2278, Dec. 2010
8. Barbosa ACQ (Coord). Saúde da Família no Brasil: Situação Atual e Perspectivas – Estudo Amostral 2008 – avaliação normativa do programa saúde da família no Brasil – monitoramento da implantação das equipes de saúde da família e saúde bucal. Belo Horizonte: Observatório de Recursos Humanos em Saúde Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG, 2009 (relatório final).
9. Portaria GM 2226, que Institui, no âmbito da Política Nacional de Atenção Básica, o Plano Nacional de Implantação de Unidades Básicas de Saúde para Equipes de Saúde da Família.
10. Giovanella L et al. A provisão emergencial de médicos pelo Programa Mais Médicos e a qualidade da estrutura das unidades básicas de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 21(9):2697-2708, 2016..
11. Projeto AQUARES – Avaliação de Serviços de Saúde no Brasil: Acesso e Qualidade da Atenção (2010). UFPEL
https://dms.ufpel.edu.br/aquares/wp-content/uploads/2013/01/AquaresFINAL-.pdf
12. White KL, Williams TF, Greenberg BG. The ecology of medical care. 1961. Bull N Y Acad Med 1996; 73(1):187-205.
13. Green LA. The ecology of medical care. N Engl J Med, Vol. 344, No. 26 · June 28, 2001.
14. MALTA, Deborah Carvalho et al. A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2016, vol.21, n.2, pp.327-338.
15. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 1.654, de 19 de julho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o Incentivo Financeiro do PMAQ-AB, denominado Componente de Qualidade do Piso de Atenção Básica Variável - PAB Variável.
16. Tomasi E, Fernandes PAA, Siqueira FCV et al. Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cadernos de saúde pública. 2017; 3(33) e00195815.
17. Campos GWS e Junior NP. A Atenção Primária e o Programa Mais Médicos do Sistema Único de Saúde: conquistas e limites. Ciência & saúde Coletiva. Vol 21 nº 9, set 2016.
18. Primary health care: transforming vision into action OPERATIONAL FRAMEWORK. Technical Series on Primary Health care.https://www.who.int/docs/default-source/primary-health-care-conference/operational-framework.pdf?sfvrsn=6e73ae2a_2
19. Fátima Marinho. V Fórum para o monitoramento do plano de ações estratégicas para o enfretamento das doenças crônicas não transmissíveis.
http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/maio/16/5.Situacao-Epidemiologica-das-DCNT-no-Brasil.pdf
20. Macinko, James and Mendonça, Claunara Schilling Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de Atenção Primária à Saúde que traz resultados. Saúde debate, Set 2018, vol.42, no.spe1, p.18-37. ISSN 0103-1104
21. Bastos ML; Menzies D; Hone T; Dehghani K and Trajman A.,Impact of the Family Health Strategy on primary care sensitive health outcomes. PLOS ONE | August 7, 2017 1 / 14. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0182336
22. Pinto Junior EP; Aquino R; Medina MG; Silva MGCD. Efeito da Estratégia Saúde da Família nas internações por condições sensíveis à atenção primária em menores de um ano na Bahia, Brasil. Cad Saude Publica;34(2):e00133816, 2018 Feb 19.
23. Hone T; Rasella D; Barreto ML; Majeed A; Millett C. Association between expansion of primary healthcare and racial inequalities in mortality amenable to primary care in Brazil: A national longitudinal analysis. PLoS Med;14(5):e1002306, 2017 May.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.