Abordagem comportamental como estratégia para o tratamento da obesidade na Atenção Primária à Saúde
PDF

Palavras-chave

Atenção Primária à Saúde; Comportamento Alimentar; Obesidade; Educação Alimentar e Nutricional; Terapia Cognitivo-comportamental.

Como Citar

Faustino-Silva, D. D., Jung, N., & La Porta, L. (2019). Abordagem comportamental como estratégia para o tratamento da obesidade na Atenção Primária à Saúde. APS EM REVISTA, 1(3), 189-197. https://doi.org/10.14295/aps.v1i3.43

Resumo

O aumento da prevalência de excesso de peso e obesidade é uma realidade mundial. A busca por novas estratégias de tratamento se torna importante, uma vez que abordagens convencionais talvez não estejam sendo efetivas. A abordagem comportamental em nutrição pode ser uma alternativa como nova forma de cuidado já que possibilita também uma maior compreensão do comportamento relacionado ao ato de comer excessivo. Dessa maneira, o objetivo do trabalho foi a elaboração de um material científico que promova conhecimento sobre a abordagem comportamental aplicada em nutrição voltada para pessoas com obesidade. Por tanto está proposto em dois capítulos sendo o primeiro de cunho teórico e o segundo, prático. Por fim objetiva-se que este material seja utilizado por profissionais de serviços da Atenção Primária à Saúde como uma nova estratégia de cuidado em saúde para pessoas com obesidade e sobrepeso. PALAVRAS-CHAVES: Atenção Primária à Saúde; Comportamento Alimentar; Obesidade; Educação Alimentar e Nutricional; Terapia Cognitivo-comportamental.
https://doi.org/10.14295/aps.v1i3.43
PDF

Referências

ABESO. Diretrizes brasileiras de obesidade 2016. 4. ed. São Paulo: [s.n.].
ALVARENGA, M. et al. Nutrição Comportamental. 1a Edição ed. São Paulo: Manole, 2015.
BAER, R. et al. Using Self-Report Assessment Methods to Explore Facets of Mindfulness. n. April 2006, 2014.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Obesidade / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília : Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília: MDS; Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, 2012.
BUTLAND, B. et al. Foresight Tackling Obesities: Future Choices – Project report. Government Office for Science, p. 1–161, 2007.
FRAMSON, C. et al. Development and Validation of the Mindful Eating Questionnaire. v. 109, n. 8, p. 1439–1444, 2010.
IVANOWSKI, B.; MALHI, G. S. The psychological and neurophysiological concomitants of mindfulness forms of meditation. Acta Neuropsychiatrica, p. 19, 2007.
MILLER, W. R. Motivational interviewing with problem drinkers. Behavioural Psychotherapy. London, v. 11, n. 2, p. 147–172, 1983
MILLER, W. R.; ROLLNICK, S. Entrevista motivacional: preparando as pessoas para a mudança de comportamentos adictivos. 1. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001
ROLLNICK, S.; MILLER, W.; BUTLER, C. Entrevista Motivacional no Cuidado da Saúde. 2007.
SHAPIRO, S. L. et al. Cultivating Mindfulness : Effects on Well-Being. v. 64, n. 7, p. 840–862, 2008.
SHAPIRO, S. L.; SCHWARTZ, G. E.; BONNER, G. Effects of Mindfulness-Based Stress Reduction on Medical and Premedical Students. v. 21, n. 6, p. 581–600, 1998.
TRIBOLE, E.; ELYSE, R. Intuitive Eatings - A revolutionary program that works. New York, 2003.
WILLIAMS, M.; PENMAN, D. Atenção Plena. 2011.
WORLD HEALTH ORGANIZATION. OBESITY: PREVENTING AND MANAGING THE GLOBAL EPIDEMIC Report of a WHO Consultation. 2000.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.