Acesso à Atenção Primária à Saúde em Curitiba: a percepção dos usuários que frequentam uma unidade de pronto atendimento (UPA)
PDF

Palavras-chave

Atenção Primária à Saúde. Acesso aos Serviços de Saúde. Avaliação em Saúde. Pacientes
Primary Health Care. Health Services Accessibility. Health Evaluation. Patients

Como Citar

Bizinelli, B., Neto, P., de Albuquerque, G., Conde, R., & Scarin, F. (2019). Acesso à Atenção Primária à Saúde em Curitiba: a percepção dos usuários que frequentam uma unidade de pronto atendimento (UPA). APS EM REVISTA, 1(3), 198-205. https://doi.org/10.14295/aps.v1i3.39

Resumo

Resumo: Evidências científicas apontam que um sistema fortemente baseado em Atenção Primária à Saúde (APS) promove melhores desfechos em saúde. No Brasil, a APS acontece, no sistema público, preferencialmente, no modelo de Estratégia de Saúde da Família. São considerados atributos essenciais da APS: o acesso, a longitudinalidade, a abrangência dos serviços e coordenação do cuidado. Esta pesquisa, com metodologia qualitativa, visou explorar as barreiras de acesso à APS na visão dos usuários que frequentam uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento). Revelaram-se barreiras: distância de casa, demora na resposta da APS, compreensão sobre o funcionamento do sistema, acesso facilitado à UPA para problemas não urgentes e horário de funcionamento abreviado da Unidade Básica de Saúde (UBS). Há percepção de que a UPA tem um acesso mais facilitado do que a UBS, apesar de não ser, em teoria, a porta de entrada oficial do sistema.   
https://doi.org/10.14295/aps.v1i3.39
PDF

Referências

BARBOSA, S. P.; ELIZEU, T. S.; PENNA, C. M. M. Ótica dos profissionais sobre o acesso à atenção primária à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 8, p. 2347-2357, 2013.

BERCHET, C.; NADER, C. The organisation of out-ofhours primary care in OECD countries. OECD, 2016. Disponível em: < https://www.oecd-ilibrary.org/docserver/5jlr3czbqw23-en.pdf?expires=1563746282&id=id&accname=guest&checksum=D8098FC9DF5CEC0E80D31AF4A0F30C7E>. Acesso em: 21 de julho de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 set. 2017. Disponível em: . Acesso em: 17 de março de 2019.

CAMPOS, R. T. O. et al. Avaliação da qualidade do acesso na atenção primária de uma grande cidade brasileira na perspectiva dos usuários. Saúde Debate, v. 38, n. especial, p. 252-64, 2014.

CARRAPATO, J. F. L. et al. Programa Mais Médicos: percepção dos usuários e dos profissionais do SUS. Em pauta, v. 14, n. 38, p. 280-293, 2016.

CASTRO, R. C. L. et al. Avaliação da qualidade da atenção primária pelos profissionais de saúde: comparação entre diferentes tipos de serviços. Cad. Saúde Pública, v. 28, n. 9, p. 1772-1784, 2012.

DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Manual de Acolhimento e Classificação de Risco. Brasília, DF, 2017. Disponível em:
< http://www.saude.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2017/10/MANUAL-DE-ACOLHIMENTO-E-CLASSIFICA%C3%87%C3%83O-DE-RISCO-DA-REDE-SES-Web.pdf>. Acesso em: 21 de julho de 2019.

FAORO, N. T. et al. Boletim de Informação e Monitoramento da Atenção Primária à Saúde da SMS Curitiba. Prefeitura Municipal de Curitiba. Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba. 2015.

FONTANELLA, B. J. B. et al. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad. Saúde Pública, v. 2, n. 27, p. 389-394, 2011.

FORD, J. A. et al. Weekend opening in primary care: analysis of the general practice patient survey. British Journal of General Practice, v. 65, n. 651, p. 792-798, 2018.

GODDARD, M. K. Quality in and equality of acess to healthcare services – Country report for England. England. European Commission, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 de novembro de 2018.

GUSSO, G.; LOPES, J. M. C. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. 1ª ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2012. p. 159-166.

MENDES, E. V. O Acesso à Atenção Primária à Saúde. Brasília: CONASS, p. 4-26, 2016.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento. Pesquisa Qualitativa em Saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec, 2014, p. 303-308.

MURRAY, M.; BERWICK, D. M. Advanced acess: reducing waiting and delays in primary care. JAMA, v. 289, n. 9, p. 1035-1040, 2003.

O’DONNELL, P. et al. Exploring levers and barriers to accessing primary care for marginalised groups and identifying their priorities for primary care provision: a participatory learning and action research study. International journal for equity in health, v. 197, n. 15, p. 1-16, 2016.

OLIVEIRA, A. E. F.; ARAUJO, F. L. S. M.; GARCIA, P. T. Redes de atenção à saúde: Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Âmbito do Sistema Único de Saúde. 1ª ed. São Luís: EDUFMA, 2018.

OLIVEIRA, S. N. et al. Unidade de pronto atendimento UPA 24 h: percepção da enfermagem. Texto Contexto Enferm, v. 24, n. 1, p. 238-244, 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários em Saúde: relatório final. Alma-Ata, URSS, setembro de 1978.

PICOLI, R. P.; CAZOLA, L. H. O.; MAURER, N. M. J. S. Usuários de Classificação de Risco Azul em uma Unidade de Pronto Atendimento. Rev Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 21, n. 1, p. 1-7, 2016.

RAMOS, A. L.; HOFFMANN, F.; SPRECKELSEN. Waiting times in primary care depending on insurance scheme in Germany. BMC Health Services Research, v. 18, n. 191, p. 1-9, 2018.

ROCHA, A. S.; BOCCHI, S. C. M.; GODOY, M. F. Acesso aos cuidados primários da saúde: revisão integrativa. Physis Revista de Saúde Coletiva, v. 26, n. 1, p. 87-111, 2016.

SALISBURY, C. et al. The National Evaluation of NHS Walk-in Centres: final report. Bristol: University of Bristol, 2002. Disponível em: https://research-information.bristol.ac.uk/files/9403884/WIC_Evaluation_Report_Final.pdf.. Acesso em: 15 de novembro de 2018.

STARFIELD, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Ed. Brasileira. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 2002.

SUBRAMANIAN, U. et al. Effect of advanced access scheduling on processes and intermediate outcomes of diabetes care and utilization. J Gen Interm Med, v. 24, n. 3, p. 327-333, 2009.

TESSER, C. D. Por que é importante a prevenção quaternária na prevenção? Rev Saude Publica, v. 51, n. 116, p. 1-9, 2017.

TESSER, C. D.; NORMAN, A. H.; VIDAL, T. B. Acesso na Atenção Primária à Saúde brasileira: situação, problemas e estratégias de superação. Saúde Debate, v. 42, n. 1, p. 361-78, 2018;
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.