A gestão do cuidado e seus desafios no Estado de Goiás: registro do território e integração entre os níveis assistenciais, 2013-2014
PDF

Palavras-chave

Atenção Básica à Saúde
Avaliação Serviços de Saúde
Coordenação do Cuidado
Gestão do Cuidado
Continuidade do Cuidado

Como Citar

Duarte, L., de Souza, M., & Rosso, C. (2019). A gestão do cuidado e seus desafios no Estado de Goiás: registro do território e integração entre os níveis assistenciais, 2013-2014. APS EM REVISTA, 1(2), 121-131. https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.32

Resumo

Motivação: Estudos enfatizam que ações de gestão do cuidado possibilitam melhorias na continuidade do cuidado, na medida em que reduzem barreiras. O presente estudo teve como objetivo avaliar a gestão do cuidado na APS utilizando os parâmetros avaliados pelo PMAQ - AB no Estado de Goiás.   Método: Estudo transversal que avaliou os resultados do PMAQ-AB, em 2013-2014. Foram utilizados dados secundários extraídos do banco de dados da Avaliação Externa do PMAQ-AB.   Resultados: Os resultados desse estudo permitem afirmar que existe fragilidade no que se refere a um registro consistente do território, padronizações para condutas, programação da agenda, oferta de consultas, a classificação de risco e a definição de fluxos bem definidos do usuário dentro do sistema, nas unidades de saúde na Atenção Básica do estado de Goiás.   Conclusões: Os resultados encontrados poderão subsidiar a reflexão dos gestores quanto à identificação de problemas na coordenação, fluxo e continuidade da atenção.
https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.32
PDF

Referências

(1) Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. 486 p. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/508200/CF88_EC85.pdf. Acessado em: 01 set. 2018.

(2) Valentim IVL, Kruel AJ. A importância da confiança interpessoal para a consolidação do Programa de Saúde da Família. Ciênc. Saúde Colet. 2007; 12(3):777-88.

(3). Ministério da Saúde. Portaria nº 699, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0399_22_02_2006.html. Acessado em: 31 out. 2018.

(4). Ministério da Saúde. Portaria 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html. Acessado em: 25 ago. 2018.

(5). Ministério da Saúde. IDSUS - Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://idsus.saude.gov.br/. Acessado em: 29 out. 2018.

(6). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Ambiência. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 32 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ambiencia_2ed.pdf. Acessado em: 25 out. 2018.

(7). Brown R, Schore J, Archibald N, Chen A, Peikes D, Sautter K, et al. Coordinating care for medicare beneficiaries: early experiences of 15 demonstration programs, their patients, and providers. Mathematica Policy Research, Inc., 2004. 144 p. Disponível em: https://innovation.cms.gov/files/reports/best-prac-congressional-report.pdf. Acessado em: 20 set. 2018.

(8). Mcdonald KM, Sundaram V, Bravata DM, Lewis R, Lin N, Kraft SA, et al. Care coordination. In: Closing the quality gap: a critical analysis of quality improvement strategies. AHRQ Publication. 2007; 4(7):51-7.

(9). Gittell JH. Organizing work to support relational co-ordination. Int J Human Resource Management. 2000; 11(3):517-39.

(10). Cecílio LCO. A morte de Ivan Ilitch, de Leon Tolstói: elementos para se pensar as múltiplas dimensões da gestão do cuidado. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. 2009; 13(Supl 1):545-55.

(11). Ministério da Saúde. Portaria nº 1.654, de 19 de julho de 2011. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o Incentivo Financeiro do PMAQ-AB. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1654_19_07_2011.html. Acessado em: 23 set. 2018.

(12). Pereira RL, Jeziorsk LL, Fachinni LA. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica-PMAQ. In: Anais do 21º Congresso de Iniciação Científica da Universidade de Pelotas, 2012.

(13). Almeida PF, Giovanella L, Mendonça MHM, Escorel S. Desafios à coordenação dos cuidados em saúde: estratégias de integração entre níveis assistenciais em grandes centros urbanos. Cad. Saúde Pública. 2010; 26(2):286-98.

(14). Norris SL, Nichols PJ, Caspersen CJ, Glasgow RE, Engelgau MM, Jack L, et al. The effectiveness of disease and case management for people with diabetes. A systematic review. Am J Prev Med. 2002; 22 (Suppl 4):15-38.

(15). Gilbert M, Counsell CM. Coordinated care for he SCI patient. SCI Nurs. 1995; 12(3):87-9.

(16). Richards S, Coast J. Interventions to improve access to health and social care after discharge from hospital: a systematic review. J Health Serv Res Policy. 2003; 8(3):171-9.

(17). Boerma WGW. Coordenação e integração em atenção primária europeia. In: Atenção primária conduzindo as redes de atenção. Geneve: WHO, 2006, 344 p.

(18). Hofmarcher MM, Oxley H, Rusticelli E. Improved health system performance through better care coordination. OECD Health Working Papers, n.30, OECD Publishing, 2007.

(19). Pires D. Divisão social do trabalho. In: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, org. Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009. p.125-30.

(20). Mendes EV. As redes de atenção à saúde. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. 549 p. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&category_slug=servicos-saude-095&alias=1402-as-redes-atencao-a-saude-2a-edicao-2&Itemid=965. Acessado em: 3 dez. 2018.

(21). Starfield B. Responsabilidades na atenção primária. In: Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 2002. p. 207-415. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0253.pdf. Acessado em: 22 jul. 2018.

(22). Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. 6. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 816 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Guia_Vig_Epid_novo2.pdf. Acessado em 26 ago. 2018.

(23). Souza HM. Saúde da Família: desafios e conquistas. In: Negri B, Viana ALA, org. O Sistema Único de Saúde em dez anos de desafio. São Paulo: Sociedade Brasileira de Vigilância de Medicamentos, Centro de Estudos Augusto Leopoldo Ayrosa Galvão, 2002. p.221-40.

(24). Giovanella L, Escorel S, Mendonça MHM. Porta de entrada pela Atenção Básica? Integração do PSF à rede de serviços de saúde. Saúde Debate,. 2003; 27(65):278-89.

(25). Conill EM, Fausto MCR, Giovanella L. Contribuições da análise comparada para um marco abrangente na avaliação de sistemas orientados pela atenção primária na América Latina. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2010; 10(Suppl 1):s14-s27.

(26). Santos AM, Giovanella L. Governança regional: estratégias e disputas para gestão em saúde. Rev. Saúde Públ. 2014; 48(4):622-31.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.