Educação permanente em saúde e modelo assistencial: correlações no cotidiano do serviço na Atenção Primária a Saúde
PDF

Palavras-chave

Educação permanente em Saúde
Modelo assistencial
Cotidiano.

Como Citar

Costa Campos, K., Marques, R., Ceccim, R., & Silva, K. (2019). Educação permanente em saúde e modelo assistencial: correlações no cotidiano do serviço na Atenção Primária a Saúde. APS EM REVISTA, 1(2), 132-140. https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.28

Resumo

Motivação: No Brasil, para a qualificação profissional em um modelo que atenda às necessidades de saúde dos usuários, fez-se uma aposta na Educação Permanente em Saúde (EPS). Pretendeu-se, a partir da análise do cotidiano de uma Unidade Básica de Saúde (UBS), responder quais as correlações da EPS com as mudanças no modelo assistencial. Nesse sentido, o objetivo geral foi analisar o cotidiano de serviço na UBS, identificando mudanças na atenção ao usuário, proporcionadas pela EPS.   Método: O cenário foi uma unidade básica de saúde do município de Belo Horizonte. Os participantes foram os trabalhadores e os usuários da unidade. O referencial de análise foi a abordagem do cotidiano de Agnes Heller. Os dados foram submetidos à análise crítica de discurso. Foram realizadas 30 entrevistas em profundidade, 25 com trabalhadores e 05 com usuários, resultando num total de 22h de entrevistas.   Resultados: Os resultados evidenciaram forças potenciais dos trabalhadores e usuários, para colaborar na mudança de modelo assistencial, revelando a busca pela centralidade dos usuários na coordenação da atenção à saúde e a priorização das tecnologias leves nas práticas de cuidado.   Conclusões: Concluiu-se que são necessários mais investimentos nos processos de educação permanente em saúde e que o reconhecimento do cotidiano como espaço para reflexões e análises é capaz de provocar desacomodação e superação crítica, abrindo espaço para novas práticas sociais e de cuidado na Atenção Primária à Saúde.
https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.28
PDF

Referências

(1) ALMEIDA LIMA, C. et al. Relação profissional-usuário de saúde da família: perspectiva da bioética contratualista. Rev Bioét (Impr.), v. 22, n. 1, p. 152-60, 2014.

(2) AYRES, J.R.C.M. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde Soc, São Paulo, v. 13, n. 3, p. 16-29. 2004.

(3) BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 198/GM - MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília: MS, 2004.

(4) CARDOSO, M.C. "Rodas de educação permanente" na atenção básica de saúde: analisando contribuições. Saude Soc, São Paulo, v. 21, (Suppl.1), p. 18-28, 2012.

(5) CECCIM, Ricardo Burg. Diversidade e adversidade na prática da atenção à saúde. Saúde - Revista do Nipesc, Porto Alegre - RS, v. 3, n.4, p. 59-77, 1999.

(6) CECCIM, R.B.; FERLA, A.A. Educação e saúde: ensino e cidadania como travessia de fronteiras. Trab Educ Saúde, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 443-456, 2008.

(7) FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. 2. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 2016.

(8) FERTONANI, H.P et al. Health care model: concepts and challenges for primary health care in Brazil. Ciênc & Saúde Coletiva, v. 20, n. 6, p. 1869-1878, 2015.

(9) FERTONANI, H.P. Desafios de um modelo assistencial em defesa da vida, da saúde e da segurança: o que dizem os usuários da atenção básica. Tese (Doutorado em Enfermagem) - UFSC, Florianópolis, 2010.

(10) HADDAD, J.Q.; ROSCHKE, M.A.C.; DAVINI, M.C. Elementos para el análisis y la caracterización del contexto en que se dan los procesos educativos en los servicios de salud. Tendencias y perspectivas. In: HADDAD, J.Q.; ROSCHKE, M.A.C.; DAVINI, M.C. Educación permanente del personal de salud. Washington (DC): Organización Panamericana de Salud, 1994, p. 1-30,.

(11) HELLER, A. Sociologia de la vida cotidiana. Barcelona: Ediciones Península. 2. ed., 2002.

(12) HELLER. A. O cotidiano e a história. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2014.

(13) MERHY, E.E. Educação permanente em movimento: uma política de reconhecimento e cooperação, ativando os encontros do cotidiano no mundo do trabalho em saúde, questões para os gestores, trabalhadores e quem mais quiser se ver nisso. Saúde em Redes, v. 1, n. 1, p. 07-14, 2014.

(14) MERHY, E.E; FEUERWERKER, L.C.M.; CECCIM, R.B. Educación Permanente en Salud. Salud Colectiva, v. 2, p. 147-160, 2006.

(15) PAIM, G. Modelos de atenção à saúde no Brasil. In: GIOVANELA, L. et al. Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.