Saúde do homem: um estudo realizado na unidade de saúde da pedreira em Belém, Pará
PDF

Palavras-chave

homens
saúde
atenção primária
autocuidado
fenomenologia

Como Citar

de Cristo, D., & de Cristo, S. C. (2019). Saúde do homem: um estudo realizado na unidade de saúde da pedreira em Belém, Pará. APS EM REVISTA, 1(2), 162-169. https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.25

Resumo

Justificativa: Este artigo é resultado de pesquisa que investigou como homens avaliam o serviço da atenção primária de um bairro em Belém, suas concepções de autocuidado e as motivações para aderirem a esse serviço que objetiva a prevenção de doenças e promoção da saúde. Através de suas percepções pode-se chegar também aos motivos das ausências da maioria dos homens na Atenção Primária.  Pelas estatísticas do Ministério da Saúde, os homens adentram a saúde pela alta e pela média complexidade, quando doenças e agravos já estão instalados.   Método: O estudo é qualitativo, de natureza fenomenológica, considerando a relação sujeito e mundo, e foi realizado com 10 homens, na faixa etária de 19 a 59 anos, usuários de uma unidade básica de saúde (UBS), atendidos no setor da clínica. As categorias de análise foram: importância da Atenção Primária para sua saúde, atendimento prestado na Unidade de Saúde da Pedreira, suas necessidades de saúde e práticas de autocuidado. Outros fatores relevantes no contexto do estudo foram: relações com o trabalho e com a família.   Resultados: Os resultados mostraram que os motivos da adesão são sinais e sintomas de doenças e agravos e recomendação de atendimento na UBS por parte de terceiros. Vários sentidos foram captados: receio, responsabilização, vergonha e irritabilidade por estarem doentes. Ter que esperar, ter que abrir mão do que percebem como prazeroso, dentro de um universo de situações adversas.   Conclusões: O estudo apontou que os usuários da UBS Pedreira não se percebem como invulneráveis, temem as doenças e não frequentam espaços de saúde para não vivenciarem a dor, como se a doença passasse a ter existência real a partir de sua presença nos serviços, com isso evitam procurar ajuda, mesmo diante de sintomas. Como o espaço privilegia as medidas curativas, e não a promoção de saúde, os homens continuam afastados do serviço.
https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.25
PDF

Referências

(1) Aquino, E.M.L. (2006). Gênero e saúde: perfil e tendências da produção científica no Brasil. Rev. Saúde Pública. Vol. 40. (N. Esp.). (pp.121-32)

(2) Brasil. Ministério da Saúde. (2008). Política Nacional de Atenção integral à saúde do homem: princípios e diretrizes. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas. Brasília/ DF

(3) Brasil. Ministério da Saúde. (2011). Portaria 2488/GM, de 21 de outubro de 2011. Política nacional de atenção básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24/10/2011, Seção 1, (pp.48-55)

(4) Brasil. Ministério da Saúde. (2011a). Vigitel Brasil 2010. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. – Brasília: Ministério da Saúde. 152 p.

(5) Brasil. Ministério da Saúde. (2013). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Ministério da Saúde. Retirado em 18 de outubro de 2013, de http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?acao=11&id=31430

(6) Campos, G. W. S. & Campos, R. T.O. (2009). Co-construção de autonomia: o sujeito em questão. In Campos, G.W.S., Minayo, M.C.S, Akerman, M., Drumond, M., Jr. & Carvalho, Y. M. (orgs.). Tratado de saúde coletiva. São Paulo: HUCITEC; Rio de Janeiro: FIOCRUZ. (pp. 669-679)

(7) Figueiredo, W. (2005). Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciênc. saúde coletiva [online]. Vol. X (n.1), (pp. 105-109)

(8) Frei Betto, (2003). Desigualdade social no Brasil. Retirado em 10 de março de 2013, de http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_Canal=53&c od_noticia=15576

(9) Giraldi, R. (2013). Homens jovens e pobres são os principais suspeitos e vítimas dos homicídios. Agência Brasil. retirado em 10 de março de 2013, de http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-03-02/homens-jovens-epobres-sao-os-principais-suspeitos-e-vitimas-dos-homicidios

(10) Grisotti, M., Patrício, Z.M. (2006). A saúde coletiva entre discursos e práticas: a participação de usuários, trabalhadores e conselheiros de saúde no município de Florianopólis. Florianópoilis: UFSC, 159p

(11) Perissinotto, R.M. (2004). Hannah Arendt, poder e a crítica da “tradição”. Luanova, nº 61. (pp.115-138)

(12) Ricouer, P. (1990) Interpretação e Ideologias (4a ed.). RJ: Ed. Francisco Alves

(13) Sodré, O. (2008). Abordagem histórico-cultural da subjetividade. Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP, (pp. 88 a 99)

(14) Ribeiro, M.C.S.A., Barata, R.B. (2012). Condições de saúde da população brasileira. In Giovanella, L., Escorel, S., Lobato, L.V.C., Noronha, J.C., Carvalho, A.I. (orgs.) (2012). Políticas e sistema de saúde no Brasil (pp ). 2a ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: FIOCRUZ. 1.100p.

(15) Senkevics, A. (2012). Desigualdade de gênero. Ensaios de Gênero. Retirado em10 de março de 2013, de http://ensaiosdegenero.wordpress.com/tag/desigualdade-de-genero/

(16) Souza, E. R. (2005) Masculinidade e violência no Brasil: contribuições para a reflexão no campo da saúde. Ciência & Saúde coletiva, 10 (1) (pp.59-70)

(17) Terra, M.G., Gonçalves, L.H.T., Santos, E.K.A. & Erdmann A.L. (2009). Fenomenologia-hermenêutica de Paul Ricoeur como referencial metodológico numa pesquisa de ensino em enfermagem. Acta paul. enferm. São Paulo. Vol. XXII (nº1).
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.