Avaliação da Atenção Primária à Saúde em uma estratégia saúde da família no interior do Pará: Utilização do PCATool-versão Brasil
PDF

Palavras-chave

Atenção Primária à Saúde
Atenção Básica
Saúde da Família
Avaliação em saúde
Gestão em saúde

Como Citar

de Souza, B., Tavares, J., Pinto Girard, C., & Ferreira, I. (2019). Avaliação da Atenção Primária à Saúde em uma estratégia saúde da família no interior do Pará: Utilização do PCATool-versão Brasil. APS EM REVISTA, 1(2), 112-120. https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.24

Resumo

Motivação: A motivação para o estudo surgiu do questionamento de como era o desempenho da ESF como parte integrante da APS no município, gerando a primeira hipótese de bom desempenho da ESF e a segunda hipótese de uma ESF com escores não qualificadores.   Método: Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e transversal, realizado de janeiro a novembro de 2017 com 329 usuários de uma ESF no município de Tucuruí, no estado do Pará, onde foi aplicado um questionário adaptado chamado “Instrumento de Avaliação da Atenção Primária” (PCATool versão Brasil) para a coleta de dados. Os resultados foram analisados a partir do cálculo dos escores de cada atributo, sendo que as médias gerais acima de 6,6 foram consideradas de alto escore e as menores de baixo escore de acordo com a conversão para a escala de Likert.   Resultados: Os resultados apontaram que a ESF apresentou os seguintes escores qualificadores: 8,44 para o atributo acesso de primeiro contato-utilização e 7,66 para coordenação de sistemas de informação. Seguidos pelos baixos escore de: 5,84 para longitudinalidade, 5,31 para integralidade-serviços disponíveis, 3,93 para o acesso de primeiro contato-acessibilidade, 3,31 para coordenação-integração de cuidados, 2,68 para integralidade dos serviços prestados. Os atributos derivados de APS também foram considerados de baixo escore, cuja orientação familiar obteve escores de 4,66 e orientação comunitária de 4,11. Ao final, o escore geral foi de 5,69 e essencial de 5,31, considerados não qualificadores de APS.   Conclusões: O baixo escore geral e essencial revelaram a necessidade de mais planejamento dos serviços da ESF com base nos atributos qualificadores da APS, uma vez que são essenciais para um bom desempenho e a busca de maior satisfação dos usuários, fazendo-se necessário o esforço conjunto dos gestores, equipe e comunidade para implementação de novas práticas e mudanças voltadas a qualificação da APS pautadas em iniciativas avaliativas.
https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.24
PDF

Referências

(1) ALENCAR, Monyk Neves de et al. Avaliação do enfoque familiar e orientação para a comunidade na Estratégia Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 19, n. 2, p. 353-364, Feb. 2014 . Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232014000200353&script=sci_abstract&tlng=es >. Acesso em 27 fev. 2019.

(2) ALMEIDA, Patty Fidelis de; MARIN, Juliana; CASOTTI, Elisete. Estratégias para consolidação da coordenação do cuidado pela atenção básica. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro , v. 15, n. 2, p. 373-398, 2017 . Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462017000200373&lng=en&nrm=iso&tlng=pt >. Acesso em: 30 jan. 2019.

(3) BRASIL. Diretrizes para Organização das Redes de Atenção à Saúde do SUS. Brasília: Grupo Técnico da Comissão Intergestores Tripartite; 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.

(4) BRASIL. Ministério da Saúde. Autoavaliação para melhoria do Acesso de Qualidade. 3 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/autoavaliacao_melhoria_acesso_qualidade_amaq_2ed.pdf >. Acesso em: 28 mar.2019.

(5) BRASIL. Ministério da Saúde . Manual do instrumento de avaliação da atenção primaria à saúde. Brasília: Ministério da saúde; 2010. Disponível em:. Acesso em: 7 jan. 2018.

(6) BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº2.436, de 26 de novembro de 2017.Institui a Política Nacional de Atenção Básica. Disponível em: Acesso em: 7 nov. 2017.

(7) BRASIL. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Disponível em: .Acesso em 7 nov.2017.

(8) BRASIL. Saúde mais perto de você: acesso e qualidade -Programa nacional de melhoria do acesso e da qualidade da atenção básica (PMAQ). Brasília, 2012. Disponível em: < http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/manual_instrutivo_pmaq_site.pdf>. Acesso em 29 jan. 2019.

(9) BRUIN-KOOISTRA, Mieneke de.; AMELINK-VERBURG, Marianne;BUITENDIJK, Simone E. Finding the right indicators for assessing quality midwifery care. International Journal for Quality in Health Care, v. 24, n. 3, p. 301–310, 2012. Disponível em: < https://academic.oup.com/intqhc/article/24/3/301/1798786 >. Acesso em 15 Mar. 2019.

(10) CASTANHEIRA, Elen Rose Lodeiro et al . Avaliação de serviços de Atenção Básica em municípios de pequeno e médio porte no estado de São Paulo: resultados da primeira aplicação do instrumento QualiAB. Saúde debate, Rio de Janeiro , v. 38, n. 103, p. 679-691, 2014 . Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042014000400679&lng=en&nrm=iso&tlng=pt >. Acesso em: 20 fev. 2019.

(11) CAVALCANTI, Pauline Cristine da Silva; OLIVEIRA NETO, Aristides Vitorino de; SOUSA, Maria Fátima de. Quais são os desafios para a qualificação da Atenção Básica na visão dos gestores municipais?. Saúde debate, Rio de Janeiro , v. 39, n. 105, p. 323-336, June 2015 . Available from . Acesso em: 20 mar. 2019.

(12) FAGÁ, Maria de Almeida. Estudo dos atributos de Atenção Primária na rede de saúde de São Carlos – SP.2016. 121 f. Dissertação (Mestrado da Gestão da Clínica). Universidade Federal. São Paulo, São Carlos, 2016.

(13) MARSIGLIA, R.M.G. Universalização do Acesso ao Sistema Único de Saúde no Brasil: desafios para a Atenção Primária à Saúde. Cad. Ter. Ocup., São Carlos, v. 20, n. 3, p. 317-325, 2012. Disponível em: . Acesso em:

(14) MORAES, Verena Duarte; CAMPOS, Carlos Eduardo Aguilera; BRANDAO, Ana Laura. Estudo sobre dimensões da avaliação da Estratégia Saúde da Família pela perspectiva do usuário. Physis, Rio de Janeiro , v. 24, n. 1, p. 127-146, Mar. 2014 . Available from . access on 31 Mar. 2019.

(15) OLIVA, Ana Carolina Dias et al. Avaliação dos atributos do cuidado primário de saúde na perspectiva do usuário. Revista UNIABEU.v.8, n.18, p.196-208, 2015. Disponível em: < http://revista.uniabeu.edu.br/index.php/RU/article/view/1750/pdf_191 >. Acesso em: 31 de Mar. 2019.

(16) OLIVEIRA, Maria Amélia de Campos; PEREIRA, Iara Cristina. Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 66, n. spe, p. 158-164, 2013 . Available from < http://www.scielo.br/pdf/reben/v66nspe/v66nspea20.pdf >. Acesso em 29 jan. 2019.

(17) PAIVA, Marcele Bocater Paulo de et al. Uma contribuição para a avaliação da Atenção Primária à Saúde pela perspectiva do usuário. Physis, v. 25, n. 3, p. 925-950, 2015. Disponível em: .Acesso em 20 de Março de 2019.

(18) SANTOS, Adriano Maia dos; GIOVANELLA, Ligia. Estratégia Saúde da Família na coordenação do cuidado em região de saúde na Bahia. Saúde debate, Rio de Janeiro , v. 40, n. 108, p. 48-63, Mar. 2016 . Available from < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042016000100048&lng=en&nrm=iso&tlng=pt >. access on 31 Mar. 2019.

(19) SODRÉ, F. O serviço social entre a prevenção e a promoção da saúde: tradução, vínculo e acolhimento. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 117, p. 69-83, 2014.Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n117/05.pdf >. Acesso em: 31 de mar. 2019.

(20) SOUSA, Naira Pereira de et al . Internações sensíveis à atenção primária à saúde em hospital regional do Distrito Federal. Rev. Bras. Enferm., Brasília , v. 69, n. 1, p. 118-125, Feb. 2016 . Available from . Acesso em: 29 mar. 2019.

(21) STARFIELD, Bárbara. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO/O ministério, 2002.Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_primaria_p1.pdf >. Acesso em 20 de jan.2019.

(22) VERAS, C.L.S.M.; VIANNA. R.P.T. Desempenho de Municípios paraibanos segundo avaliação de características da organização da atenção básica: Epidemiol. serv. Saúde, v.18, n.2, p. 133-140, 2009. Disponível em: < http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742009000200004 >Acesso em: 14 fev. 2019.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.