Escuta qualificada como ferramenta de humanização do cuidado em saúde mental na Atenção Básica
PDF

Palavras-chave

Humanização
Saúde Mental
Atenção Básica

Como Citar

Santos, A. (2019). Escuta qualificada como ferramenta de humanização do cuidado em saúde mental na Atenção Básica. APS EM REVISTA, 1(2), 170-179. https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.23

Resumo

Motivação: A hipótese norteadora da investigação foi a de que a escuta qualificada na atenção primária a saúde é uma ferramenta capaz de revolucionar a lógica biomédica de cuidado.   Método: Este artigo orientou-se pelos preceitos de uma pesquisa bibliográfica, a fim de, coletar, analisar e interpretar aquilo que já foi dito, escrito ou filmado sobre escuta qualificada, cuidados primários e humanização em saúde mental. Posterior ao levantamento bibliográfico a autora efetuou um estudo exploratório com o intuito de elucidar o fenômeno pesquisado através das contribuições teóricas já existentes.   Resultados: A partir do referido estudo, a hipótese norteadora, pode ser comprovada, e os objetivos específicos possibilitaram que o potencial da escuta qualificada enquanto ferramenta de humanização do cuidado fosse explanado no decorrer da pesquisa.   Conclusões: A escuta qualificada possibilita a humanização das práticas de promoção e prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação em saúde mental, ou seja, possibilita que neste contexto que consideradas as circunstâncias sociais, éticas, educacionais e psíquicas dos sujeitos envolvidos.
https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.23
PDF

Referências

(1) FOUCALT, Michel. A história da Loucura. Tradutor: José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978.

(2). GONÇALVES, Alda Martins; SENA, Roseni Rosângela de. A Reforma Psiquiátrica no Brasil: contextualização e reflexos sobre o cuidado com o doente mental na família. Rev Latino-am Enfermagem, [S. L.], v. 9, n. 2, p. 48-55, 2001. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2018.

(3). FURTADO, Juarez Pereira; CAMPOS, Rosana Onocko. A transposição das políticas de saúde mental no Brasil para a prática nos novos serviços. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., [S. L.], v. 8, n. 1, p. 109-122, 2005. Disponível em . Acesso em: 12 set. 2018.

(4). FONSECA, Tania Mara Galli; JAEGER, Regina Longaray. Psiquiatrização da vida: Arranjos da loucura hoje. Rev. Pólis e Psique, Porto Alegre, v. 2 n. 3, p. 188-207, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2018.

(5). BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica: Saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

(6). BRASIL. Ministério da Saúde. Lei no. 10.216 de 06 de abril de 2001. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2001.

(7). BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no. 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2011.

(8). BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no. 2.436 de 21 de setembro de 2017. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2017.

(9). BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Politica Nacional de Humanização. Humaniza SUS politica nacional de humanização. (versão preliminar). Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

(10). FORTES, Paulo Antônio de Carvalho. Ética, direitos dos usuários e políticas de humanização da atenção à saúde. Saúde e Sociedade, [S.L.], v.13, n.3, p.30-35, 2004. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2018.

(11). RIOS, Izabel Cristina. Humanização: a Essência da Ação Técnica e Ética nas Práticas de Saúde. Rev. Brasileira de Educação Médica, [S.L.], v. 33, n. 2, p. 253–261, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2018.

(12). SIMÕES, Ana Lúcia de Assis, et al. Humanização na saúde: enfoque na atenção primária. Texto Contexto Enferm., Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 439-444, 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

(13). BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Política Nacional de Humanização: Documento base para Gestores e Trabalhadores do SUS. Brasília, Ministério da Saúde, 2. ed, 2004.

(14). RAIMUNDO, Jader Sebastião; CADETE, Matilde Meire Miranda. Escuta qualificada e gestão social entre os profissionais de saúde. Rev. Acta Paul Enferm. v. 25, n. 2, p. 61-67, 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2018.

(15). BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização PHN. Brasília: Ministério da Saúde, 1. ed., 2013b.

(16). SANTOS, Jussara da Paixão dos. A escuta qualificada – instrumento facilitador no acolhimento ao servidor readaptado. 24 f. Monografia (Especialização em Gestão de Pessoas). São Paulo: Programa FGV in company, 2014. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2018.

(17). MAYNART, Willams Henrique da Costa. A escuta qualificada e o acolhimento na atenção psicossocial. Acta Paul Enferm, [S.L.], v.27, n. 4, p. 300-3, 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2018.

(18). JORGE, Maria Salete Bessa, et al. Promoção da Saúde Mental – Tecnologias do Cuidado: vínculo, acolhimento, co-responsabilização e autonomia. Ciência & Saúde Coletiva, [S. L.] v. 16, n. 7, p. 3051-3060, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2018.

(19). MENDES, Isabel Amélia Costa, et al. Diagnóstico e prognóstico graves: dificuldades para comunicar ao paciente e à família. Cienc. Cuid. Saúde, [S.L.], v. 6, n. 3, p. 300-304, 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2018.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.