Inovar mobilizando os atores sociais e institucionais. A experiência de Salgueiro, Rio de Janeiro (RJ)
PDF

Palavras-chave

Atenção Primária à Saúde
Equipes de Saúde da Família

Como Citar

Goulart, F., Espírito Santo, D., Ferraz, H., & Pereira, V. (2020). Inovar mobilizando os atores sociais e institucionais. A experiência de Salgueiro, Rio de Janeiro (RJ). APS EM REVISTA, 2(3), 213-219. https://doi.org/10.14295/aps.v2i3.149

Resumo

Bairro da Tijuca, Rio de Janeiro. Meio caminho entre a Zona Norte, mais pobre, e a Zona Sul da cidade, mais rica. Em ambas as regiões impera uma paisagem de morros, onde se situam as favelas, nas quais dominam o tráfico, a violência e a pobreza. Na Tijuca, a poucos metros da Praça Saenz Peña, logradouro símbolo do bairro, fica a Unidade de Saúde Heitor Beltrão, que atende a população do morro do Salgueiro, onde o trabalho ora analisado tem seu foco de ação. O discurso dos atores da experiência situa o trabalho em Atenção Básica/Saúde da Família na cidade como atuante em duas modalidades distintas, identificadas como “no asfalto” e “no morro”, com diferenças implícitas às duas situações. A UBS de Heitor Beltrão tem uma característica especial: fica no asfalto, mas atende também o morro. Mais precisamente, com sua cobertura de quase sete mil pessoas, tem uma quarta parte delas vivendo nas ladeiras e ruelas dos morros do Salgueiro e outros adjacentes, como o do Catrambi e do Borel.
https://doi.org/10.14295/aps.v2i3.149
PDF
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.